domingo, 29 de março de 2009

O CONTO E SUA ESTRUTURA

O conto é um texto de pequena extensão, normalmente bem curto (menor que a novela ou o romance) e empolgante, o que torna este limitado aos fatos relevantes. O enredo, basicamente, uma estrutura que começa com uma breve apresentação, depois a história é levada a uma pequena “complicação”, atingindo aí o seu clímax e culminando com um desfecho, que, em alguns casos, deixa o final do conto em aberto, cabendo ao leitor colocar suas próprias impressões sobre o fato e criar o seu fim de fato.
Quanto ao gênero é apresentado em forma de narrativa e quanto à forma de escrever em prosa. Este gênero apresenta grande flexibilidade, podendo até mesmo tornar-se bem parecido com uma crônica ou uma poesia. Alguns historiadores acreditam que este gênero descenda do mito, da lenda, da parábola, do conto de fadas e, até mesmo, das anedotas.

Embora seja composto de todos os elementos de uma narrativa, tem poucos personagens o que delimita, consubstancialmente, o tempo e o espaço. Apresenta apenas um clímax, enquanto em um romance, por exemplo, a obra vai se desdobrando através de vários outros conflitos, que podem ser entendidos como secundários. Isto faz o conto ser sucinto.
A origem do Conto, enquanto forma literária, é pouco divergente, entretanto imprecisa já que o primeiro momento em que se pode perceber o uso dessa estrutura foi numa fase oral, conforme estudos de Vladimir Propp (A morfologia do conto maravilhoso), pois, mesmo havendo textos que podem ser considerados contos desde O livro do mágico, que data de cerca de 4000 a.C. (momento em que é registrado o início da fase escrita dos contos, no Egito) até à Bíblia, entende-se que Giovanni Boccaccio (1313 – 1375), no século XIV, estabeleceu as bases dessa forma narrativa em seu livro Decameron. O conto, na verdade, nasceu de maneira humilde e anônima e era um relato simples e despretensioso de situações fictícias para ser apreciado em momentos de entretenimento.
Então, o conto cria um universo paralelo onde seres fictícios vivem situações de seu cotidiano fantasioso, às vezes próximos do real, mas com o intuito de criar um estranhamento através de uma leitura da sociedade. Ele apresenta um narrador, personagens e enredo, mas também um ponto de vista, o que faz com que a obra tenha um caráter mais ou menos agressivo enquanto crítica social.
A melhor maneira de compreender um conto seria inicialmente fazer uma primeira leitura deste e depois tentar levantar informações sobre o seu autor, sua biografia, para se situar no universo deste. Normalmente um conto não é publicado isoladamente, às vezes faz parte de uma obra maior. Depois disto devemos tentar compreender as palavras utilizadas, a escolha destas não é casual, então devemos tentar perceber porque fora usada esta e não uma outra que tenha o mesmo significado. O título também é muito significativo, tentar descobrir, no texto, o que levou o autor a optar por este título deixa o leitor mais sagaz. A partir de então, podemos começar a analisar propriamente o texto e para tanto, algumas perguntas hão de se tornar uma constante, tais como QUEM?, POR QUE?, ONDE?, COMO?, QUANDO?.
Existem grandes especialistas em análise de contos, conhecer a sua visão sobre a estrutura de um conto torna mais fácil e prazerosa a leitura de qualquer destes. A professora Heidi Strecker dá dicas de grande importância e utilidade para quem quer começar a ler contos ou aprimorar-se no entendimento destes.

Alessandro Freitas

9 comentários:

  1. Alessandro,

    acho que deveria diversificar mais. Coloque resumos, em vez do conto inteiro, e remeta o leitor para o endereço da história; crie exercícios sobre um conto; coloque questões de provas, um curta, entre outras coisas

    ResponderExcluir
  2. Queria saber a estrutura do conto..
    Exemplo: inicio,meio e fim...

    Por:Júnior

    ResponderExcluir
  3. Concordo com o Accacio e queria saber o mesmo que o Jonielson .. (:

    ResponderExcluir
  4. Queria saber a estrutura do conto..
    Exemplo: inicio,meio e fim..[2]

    ResponderExcluir
  5. o que e uma parabola gramatical portuguesa.?

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. como e o inicio, meio e fim de uma parabola ?

    ResponderExcluir
  8. Ai , eu quero saber a estrutura textual , Exemplo , FINIALIDADE , talzz ...

    ResponderExcluir
  9. Não se trata de parábola gramatical (wherever u had taken it from)...e sim de parábola como gênero narrativo, que pode ter influenciado a maneira como os contos são estruturados. A Literatura tem muito disso ;) Um gênero molda o outro =)

    Com relação à estrutura, para aqueles que querem saber sobre a coisa estrutural mesmo, sugiro que vocês pesquisem algumas referências bibliográficas com Teoria do Conto em foco... Ali em cima está bem resumido mesmo, e é isso: Um cenário limitado, poucos personagens; normalmente o narrador sabe de tudo que se passa pela cabeça do protagonista, enquanto os outros personagens se limitam apenas às falas e aos fatos... coisa assim. É uma moldura. Você tem as ferramentas e precisa fazer ficar interessante. E nunca esquecer: Conto é coisa pra ser lida em 15, 20 minutos: Usar a praticidade é sempre o melhor caminho; deixar as subjetividades de lado e ir direto ao ponto :)

    Hook the reader!

    É isso...

    Nao complica as coisas! rs

    ResponderExcluir